vsg-x-min-800x419

Óleos vegetais e óleos minerais possuem origens distintas, mas suas diferenças vão muito além desse aspecto.

Ambos estão presentes em nosso dia a dia de diferentes formas e possuem propriedades específicas, que explicaremos nesse artigo.

Continue lendo para saber o que são exatamente óleos vegetais e minerais, como diferenciá-los e qual deles é a melhor opção quando se trata de cuidar da saúde, beleza e bem-estar.

O que são óleos vegetais

Os óleos vegetais são lipídios (gorduras) extraídos de plantas, especialmente das sementes, caules e frutos.

Alguns são bastante utilizados na alimentação humana, como os óleos de milho, girassol, colza (Canola), coco, soja, amendoim, gergelim e o azeite de oliva. Além de serem nutritivos, alguns óleos vegetais ajudam a prevenir e tratar problemas de saúde.

Outro segmento onde os óleos vegetais são muitos empregados é na fabricação de cosméticos, incluindo sabonetes, xampus, condicionadores, hidratantes corporais etc. São ainda utilizados como carreadores para os óleos essenciais na aromaterapia.

Métodos de extração

O método de extração utilizado para obter um óleo vegetal influencia suas características. Existem dois métodos principais: a prensagem e a extração por solvente.

Prensagem

No método de prensagem partes da planta são esmagadas sob pressão, fazendo com que o óleo seja retirado das células vegetais mecanicamente.

Prensagem a quente

Quando o vegetal é aquecido antes da extração do óleo, o processo é denominado prensagem a quente, o qual pode ocasionar a perda de compostos importantes, devido à sensibilidade de tais substâncias ao calor.

Prensagem a frio

Já na prensagem a frio o vegetal não passa por esse aquecimento prévio, mantendo sua composição original e propriedades.

Por isso os óleos vegetais obtidos por prensagem a frio apresentam melhor qualidade, já que têm um alto grau de pureza.

Extração por solvente

A segunda técnica mais utilizada é a extração por solvente. Nesse processo a planta é triturada, acrescentando-se em seguida o solvente hexano, um derivado do petróleo.

Dessa forma o óleo se desprende das partículas do vegetal e mistura-se ao solvente. Depois, é necessário retirar o solvente para que reste somente o óleo.

O óleo vegetal obtido por essa técnica sofre grande perda de elementos benéficos, sendo de qualidade inferior àquele resultante da prensagem.

Além disso, a técnica traz grandes riscos de contaminação ao meio ambiente por produzir resíduos tóxicos.

Óleos vegetais orgânicos

Óleos vegetais orgânicos são extraídos de vegetais não transgênicos e cultivados de acordo com os princípios agroecológicos, sem uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos.

Para um óleo vegetal ser considerado orgânico, pelo menos 95% de sua matéria-prima deve ter origem orgânica.

O que é óleo mineral

O óleo mineral é um subproduto do processo de destilação do petróleo. Também é conhecido como óleo base, petrolato, vaselina líquida, óleo branco e parafina líquida.

Existem os óleos minerais lubrificantes, utilizados na formulação de óleos para motores e peças. Já os óleos minerais não lubrificantes são empregados na fabricação de insumos agrícolas, tintas, cosméticos, maquiagens, medicamentos e alimentos.

O óleo mineral não tem valor nutricional e é tolerado pelo organismo humano em pequenas doses, tendo uso bastante difundido como laxante.

Ao ser ingerido em jejum ou aplicado como enema, ele forma uma espécie de filme sobre as paredes do intestino, que facilita a passagem do bolo fecal.

Entretanto, sua ingestão pode bloquear a absorção de certos nutrientes pelo organismo e irritar a mucosa intestinal.

Sobre o uso de óleos minerais diretamente na pele e cabelos, seu efeito é criar uma camada que bloqueia a perda de água, evitando o ressecamento. Por outro lado, essa suposta “camada protetora” pode obstruir os poros e folículos pilosos, além de não fornecer nenhum nutriente aos tecidos.

Cosméticos naturais não contêm óleo mineral

O óleo mineral é um ingrediente proibido em cosméticos naturais e orgânicos, por se tratar de um derivado do petróleo.

É melhor usar óleo vegetal ou mineral no cabelo e na pele?

Sem dúvida, a melhor escolha são os óleos vegetais, especialmente os prensados a frio e orgânicos.

Como vimos, o óleo mineral apenas forma uma película sobre a pele e fios de cabelo, sem ser absorvido, o que pode ser útil para evitar a perda de água, mas não oferece nenhum benefício em termos de nutrição.

E para remover os resíduos de óleo mineral dos cabelos é necessário utilizar xampus com sulfatos, detergentes potentes que podem retirar a oleosidade, que é uma barreira natural de proteção, em excesso.

Já os óleos vegetais são ricos em substâncias benéficas, como vitaminas, minerais e ácidos graxos essenciais e não se acumulam nos tecidos, pois são absorvidos pelas células do corpo.

Embora ainda não exista um consenso sobre o tema, acredita-se que os óleos minerais sejam potencialmente cancerígenos e aumentem o risco de desenvolver alergias.

Como saber se um cosmético contém óleo mineral

Para saber se um cosmético contém óleo mineral em sua composição, é preciso procurar os seguintes nomes entre os ingredientes:

  • Heavy mineral oil.
  • Light mineral oil.
  • Liquid paraffin oils.
  • Liquid paraffin.
  • Liquid petrolatum.
  • Prolatum oil.
  • White mineral oil.

Todos esses nomes são sinônimos de óleo vegetal e portanto indicam a presença da substância na fórmula.

Existem selos e certificações que atestam a qualidade e adequação às normas de produtos naturais e orgânicos, incluindo a ausência de óleo mineral, como IBD, Ecocert e Orgânico Brasil.

Conheça alguns óleos vegetais e suas propriedades

Abaixo você pode conferir as principais indicações e formas de uso de 3 óleos vegetais.

                                         Óleo vegetal de buriti (Mauritia flexuosa)

O óleo de buriti é usado nos cabelos para combater o ressecamento e na pele para combater os sinais do envelhecimento, já que tem ação antioxidante e contém ingredientes capazes de estimular a produção de colágeno e elastina.

 

 

Óleo de barú (Dipteryx alata)

Poderoso hidratante que ajuda a evitar as temidas estrias. Contém antioxidantes, ácidos graxos essenciais (que o corpo não produz) e vitamina E, substâncias que protegem a pele dos danos causados pelos radicais livres e agressões externas.

 

 

Óleo de pracaxi (Pentaclethra macroloba)

Consegue melhorar a aparência de estrias já formadas e evitar seu aparecimento, inclusive em fases como adolescência e gravidez.

Também é usado para tratar manchas escuras no rosto, suavizar rugas e marcas de expressão. No couro cabeludo e cabelos é utilizado para combater a caspa, já que possui ação antisséptica.

Como vimos, óleos vegetais e minerais apresentam diferenças significativas entre si e os óleos vegetais prensados a frio são a melhor opção para cuidar da pele e dos cabelos.

Se você ainda tem alguma dúvida sobre o tema ou quer compartilhar sua opinião, deixe um comentário!


trilhados aromastrilhaatibaiaprodutos naturais